Sandra Resende (Parte 2)

Linguagem abstrata e sacra


Através das influências construídas e vivenciadas pelos festivais, mostras e cursos dos quais participou, o trabalho de Sandra ganhou proporções e linguagens maiores e absolutas. O atelier e a casa ficaram pequenos para suas produções. Sandra precisava de um espaço para chamar de seu, para trabalhar com telas maiores, com dimensões acima de 3x4m. E foi em 2001 que, com o apoio da família – especialmente do marido e em parceria com a filha – inaugurou a Galeria de Arte Sandra Resende.



Localizada em Jardim Camburi, a galeria atuava em um espaço de 300m², com cursos e palestras, além de exposições. A galeria teve ampla contribuição na promoção da arte capixaba, conquistando um público diverso e disseminando a cultura local. Em paralelo, Sandra seguia seus trabalhos enquanto artista, trabalhando a pintura abstrata e a arte sacra.

Transições 

Devido a problemas pessoais, no entanto, Sandra Resende precisou interromper suas atividades enquanto artista e galerista. Naquele momento, era a sua família que carecia de atenção, em especial o companheiro de longa data, acometido por uma doença. Nesse período, que durou cerca de cinco anos, a pintura deixou de ser sua respiração, substituída pelo amor à família e ao marido.

Em paralelo, a artista continuou recebendo convites para projetos e trabalhos artísticos, recusando-os imediatamente. Porém, a rotina de cuidar de um ente querido com problemas de saúde pode também adoecer quem cuida. Aconselhada por amigos, familiares e até os médicos do esposo, Sandra decidiu retornar aos trabalhos enquanto artista. Aceitou grandes oportunidades de grande proporção: a artista foi convidada para produzir obras dentro das Igrejas locais.

Paineis, murais, capelas. Sandra Resende recebeu, aos poucos, inúmeros convites. Ao longo dos anos, pintou mais de trinta de igrejas. Sua relação com a arte sacra começou ainda nova. Porém, foi com os cursos especializados que enriqueceu seu conhecimento. Entre as comunidades das quais Sandra entregou sua arte, estão a de Coqueiral de Aracruz e o Convento da Penha, na área do campinho. Para a artista, pintar uma Igreja requer uma relação profunda com a pintura e o ambiente - vai além de uma parede a receber tinta e pincel.

“As ferramentas são as mesmas. Porém, muda a qualidade dos materiais e a preparação. Por estar inserida em um bairro, uma comunidade, existem pessoas por trás daquela igreja ou paróquia. Moradores, personagens dessa história. Então eu afirmo que, ao ver o projeto de uma capela ou presbitério, há uma energia, um pensamento que se conecta ao local”, reitera.

A disciplina é uma característica forte na artista, que considera a pintura sua ferramenta de trabalho. “A minha responsabilidade é trabalhar todos os dias, de vir para o atelier e produzir. Quando eu estou trabalhando, naquele momento existe apenas esse mundo: eu e o desenho, eu e a pintura”.

Seja durante o dia ou de madrugada, se alguma inspiração lhe acomete, nada é empecilho para estar no atelier. Seja pelas viagens que realiza, pelas pessoas que conhece e pelas descobertas que faz, a artista carrega tudo consigo. Aquela árvore que a tudo deu início, também caminha ao lado de Sandra. Elas trocam olhares diariamente, em seu atelier.


Conheça as obras da artista: http://goo.gl/1s609S
Pintura Sacra: Atelier Sandra Resende Arte Sacra  http://goo.gl/Nvqmoe

Visite nosite : Sandra Resende artista 







Comente com o Facebook: